IEDV | Instituto Venoso

Trombose ou Oclusão de Acesso de Hemodiálise.

No Brasil existem em torno de 150.00 pessoas anualmente que precisam de hemodiálise para sobreviver. Esses pacientes precisam saber que os cuidados com a fístula e o acesso vascular são fundamentais para que não ocorra a formação de coágulo ou obstruções. Se isso ocorrer,  pode ser necessária o tratamento de urgência para desobstruir o acesso, e permitir que o tratamento continue sendo feito. O acesso de má qualidade pode trazer sofrimento, tratamento inadequado e até mesmo a morte ao paciente portador de insuficiência renal crônica.

Por que o sangue pode coagular durante a diálise?

Existem duas maneiras principais pelas quais um acesso à diálise pode ficar coagulado ou bloqueado:
1 – Estenose;
2 – Trombose.

O que é Estenose?

Estenose é quando um vaso sanguíneo se estreita. É uma causa comum de disfunção de acesso, principalmente nas fístulas arteriovenosas (AV). A estenose em qualquer veia ou artéria pode criar alterações no fluxo sanguíneo e na pressão durante o acesso à diálise, tornando-a inadequada ou ineficaz.  Se o fluxo sanguíneo for reduzido significativamente, pode ocorrer o bloqueio total e trombose da fístula. Se a estenose ocorrer no lado venoso ocorrerá um represamento do fluxo sanguíneo, podendo provocar aumento no tempo necessário de hemodiálise, e até mesmo hemorragia e pseudoaneurisma (tumores vasculares) no trajeto da fístula. Se a estenose for muito severa poderá bloquear completamente o fluxo sanguíneo através da fístula, e até mesmo provocar a trombose e oclusão da mesma.  Em qualquer uma das situações acima, uma vez que o fluxo sanguíneo através da tenha parado, significa que o seu acesso trombosou.

O que é Trombose?

Quando ocorre trombose da fístula AV o fluxo sanguíneo interrompido impossibilitando a hemodiálise. Um coágulo sanguíneo também pode ocorrer em um cateter venoso central (CVC). Independentemente de onde ocorre uma trombose, ela precisa ser tratada o mais rápido possível assim que for descoberta.

Como se faz o diagnóstico da trombose ou oclusão da fístula ou cateter?

Além da dificuldade, lentidão ou impossibilidade de realização da hemodiálise, a dificuldade de controle de sangramento, as hemorragias, e a formação de tumores (pseudoaneurisma) no trajeto da fístula, indicam que pode haver estenose ou obstrução no acesso.

O Doppler Vascular pode ajudar a identificar o problema, e em alguns casos pode ser necessário fazer flebografia e/ou fistulografia.

Quais são os tratamentos para um acesso trombosado ou ocluído:

1 – Fibrinólise loco-regional ou dirigida por cateter; 2 – Trombectomia por cateter; 3 – Trombectomia cirúrgica.

Fibrinólise:  O primeiro passo no tratamento de um cateter ou de uma fístula arteriovenosa  coagulado é a administração de um medicamento para tentar dissolver o trombo. Alguns casos, isso pode ser administrado no centro de hemodiálise. Se isso não funcionar, pode ser necessário consultar um especialista Cirurgião Vascular para avaliar por que o acesso de hemodiálise obstruiu.  Existem vários métodos que o especialista vascular pode usar para tentar desobstruir o cateter ou a fístula. Pode ser colocado um cateter através do trombo e ser administrado à droga fibrinolítica no local, que pode dissolver o coágulo.  Se esses métodos não derem certo, pode ser necessário substituir o cateter ou realizar novo acesso ou fístula arteriovenosa.

Trombectomia:  A trombectomia, ou retirada do trombo, é um procedimento que pode ser feita por cateter para remover o coágulo sanguíneo, ou por cirurgia.  Esse procedimento é realizado com anestésico local e, se necessário, pode ser administrado um sedativo moderado para ajudá-lo a relaxar.  Sempre que possível, direcionamos um cateter guiado por raios-X, ao local da trombose, e o trombo é sugado para fora. Se isso não for possível pode ser necessária a trombectomia cirúrgica com cateter balão. Caso seja encontrado algum local de estenose, pode ser necessária a realização de angioplastia, e em alguns casos, implante de stent. O procedimento leva cerca de uma hora e não é necessário pernoite. Se o seu acesso coagular, é importante que você procure tratamento o mais rápido possível.

A bom funcionamento do acesso vascular para hemodiálise é fundamental para o tratamento adequado do paciente portador de insuficiência renal definitiva. No caso de dúvida procure um cirurgião vascular com brevidade!

 

Ficou com dúvidas?

Obter um diagnóstico preciso pode ser uma das experiências mais impactantes que você pode ter – especialmente se você está em busca dessa resposta há algum tempo. Podemos ajudá-lo a chegar lá.

São Paulo, SP